Torres del Paine – Guia Rápido

Neste guia:

  1. Um Pouco sobre Torres Del Paine
  2. Como Chegar?
  3. Quando ir?
  4. Entrada / Formas de pagamento
  5. O que fazer em Torres del Paine?
  6. Hospedagem
  7. Reservas campings
  8. Aluguel de equipamentos
  9. Mini Check list
  10. Preciso contratar guia?
  11. Alimentação

 


1. Um pouco sobre Torres Del Paine

O Parque Nacional Torres del Paine está localizado na província de Última Esperanza, a cerca de 110 km de Puerto Natales e a 253 km de El Calafate, na Argentina.

Fundado em maio de 1959, inicialmente como Parque Nacional de Turismo Lago Grey, após dois anos foi alterado para  Parque Nacional Torres del Paine. Declarado como reserva da Biosfera pela Unesco em Abril de 1978, considerado a oitava maravilha do mundo em 2013.

O parque tem área de aproximadamente 242.000 hectares, na qual se encontra a cadeia montanhosa Del Paine, com as famosas Torres Del Paine. Lugar que recebe todo ano milhares de turistas de vários lugares do mundo.

As fotos não fazem justiça a realidade do lugar. Paisagens privilegiadas com glaciares, icebergs, lagos de cor turquesa, rios, cachoeiras, bosques de lengas, pampas, grandiosos maciços, guanacos, pumas, condores…


2. Como chegar

Puerto Natales é a porta de entrada do parque. Chega-se pela Ruta 9.

  • Ônibus:

O nosso meio de locomoção pela Patagônia foi ônibus, o roteiro foi: Ushuaia – Punta Arenas – Puerto Natales – Torres Del Paine – Puerto Natales – El Calafate – El Chaltén – El Calafate.

Chegamos a Puerto Natales no meio da tarde e compramos as passagens para TDP na rodoviária. Tem várias empresas, cada uma tem seu preço, você consegue negociar o valor das passagens.

Em alta temporada, os ônibus saem duas vezes ao dia: 7:30 e 14 horas. São três paradas: Laguna Amarga, Pudeto e sede administrativa, você deve escolher em qual descer de acordo com o lugar que irá começar o circuito ou o passeio que irá fazer. A viagem dura aproximadamente 3 horas.

 *  Todos devem descer na sede administrativa e assinar os termos de responsabilidade. *

 

  • Carro:

Também há a opção de passear pelo parque de carro. Mas também é obrigatório passar pela sede administrativa. Há estacionamento no parque.

 

  • Avião

O Aeroporto mais próximo ao parque está localizado em Punta Arenas. Lá você terá que decidir se irá alugar um carro ou irá de ônibus até Torres del Paine.

 


3. Quando ir

O Clima da Patagônia é instável, mas somos de Curitiba e já estamos acostumados com essa mudança de tempo repentina.

  –  Independente do mês, esteja preparado para muito vento, frio, chuva e as vezes neve… –

São basicamente duas temporadas:

Alta temporada, 1 de outubro até 30 de abril, considerado a melhor época para conhecer  Torres del Paine, janeiro e fevereiro são os meses de maior visitação. Neste período é possível fazer todas as trilhas e circuitos do parque.

Baixa Temporada 1 de maio a 30 de setembro. A temperatura é baixa nesta época, alguns passeios são encerrados por conta da neve e o circuito O é fechado. Existem alguns pré requisitos pra vistar o parque nesta época, você pode verificar clicando aqui.

Nós entramos no parque no dia 28/03/2019 e saimos dia 05/04/2019. Fizemos o ciruito O, pegamos o final da alta e o inicio da baixa temporada, temperatura um pouco mais baixa, maior parte do tempo nublado e bastante chuva. No geral gostamos dos dias escolhidos, pois o parque não estava tão cheio de turistas.


4. Entrada / Formas de pagamento

Entrada do parque – Aproximadamente R$ 100,00 para adultos e R$ 3,00 para crianças. Pode ser paga no local (somente em dinheiro) ou antecipadamente pelo site.

Os restaurantes, hotéis e a maioria dos refúgios aceitam cartão, mas é bom ter dinheiro pois a internet dentro do parque não funciona muito bem.

 


5. O que fazer em Torres del Paine?

Torres del Paine é famoso pelos trekkings, e as principais atrações são os circuitos, mas também há passeios fora deles, o parque é grande e tem várias opções para todas as idades e condicionamento físico.

  • Circuitos:

São dois,  W e O (ou maciço Paine).

O circuito W tem aproximadamente 70 km, com percurso mais fácil, indicado para os praticantes menos experiêntes. Este circuito é o preferido dos turistas, esteja preparado para conviver com muitas pessoas durante este percurso. Você encontrará pessoas de todas as idades, o circuito conta com boa infraestrutura. Há algumas maneiras de fazê-lo, no sentido horário e anti-horário, você é quem deve definir qual o melhor de acordo com seu planejamento. Leva-se em média 3 a 5 dias para fazer o circuito.

O circuito O tem aproximadamente 120 km, é indicado para os mais experiêntes. Poucas pessoas fazem este circuito, o movimento só aumenta quando o circuito O se funde com o W. No geral, a estrutura é boa, com trilhas bem sinalizadas. Nesta temporada só foi possível fazer o circuito no sentido anti-horário. A cada 2 temporadas é invertido o sentido obrigatório para evitar degradação excessiva da trilha. Feito de 6 a 10 dias.

–  Algumas agências vendem o pacote completo dos circuitos. Incluindo aluguel de equipamentos e alimentação, mas a maioria das pessoas fazem por conta própria. –

 

  • Passeio de um dia?

Como já foi dito, o parque Nacional Torres del Paine é imenso. Há vários passeios dentro e fora dos circuitos.

Se você quer fazer trekking, uma opção é o ataque a base das torres, são aproximadamente 20 km entre subidas e descidas, é bom ter o mínimo de condicionamento físico para isto. A Base das Torres é um dos lugares mais visitados no parque.

Glaciar Grey, refúgio Paine Grande, Mirador Frânces e Britânico, também são locais famosos dentro do parque.

Há outras opções para quem não pretende fazer longas caminhadas. Você pode pegar um catamarã e passear pelos lagos de Torres del Paine, fazer um mini trekking sobre o glaciar Grey, alugar um carro e ver diversas paisagens contando com lagos, rios, montanhas, vista do circuito maciço… 

 


6 – Onde se hospedar

  • Hotéis: Paga-se caro para se hospedar em hotéis em Torres del Paine. Se você não abre mão de um pouco de conforto e privacidade, terá que preparar o bolso $$. A maioria oferece pensão completa. Não nos hospdamos nenhum dia em hotel.

  • Refúgios: Um pouco mais barato que os hotéis, mas ainda são caros. Ficamos hospedados somente uma noite em refúgio, no Dickson. Mesmo pagando caro, o quarto é compartilhado. Dormimos em um quarto pequeno com 3 beliches, para nossa sorte só compartilhamos o quarto com mais uma pessoa.

  • Campings: Fizemos o circuito O, dormimos 8 noites em TDP, 7 delas em camping. Também não achamos o valor barato, mas acampar é uma opção mais econômicoa que as outras. No geral são bem estruturados, a maioria com chuveiros quentes, sanitários, área de camping protegida, cozinha com pias, mesas e bancos.

Como nossa experiência foi em campings, vamos falar um pouco mais sobre eles no próximo tópico.

 


7. Reservas Campings

Se você tem a intenção de fazer algum dos circuitos do parque, faça as reservas dos campings com antecedência! Nós fizemos quando abriram as vagas, assim também garantimos vaga nos campings gratuitos.

O principal para realizar as reservas é se planejar: Definir datas e qual camping irá passar cada noite. Após é só identificar quem administra cada camping e realizar as reservas pelos sites das empresas.

O pagamento das reservas é feito on-line, você receberá um email com a confirmação, salve os emails ou imprima, você terá que apresenta-las para os guarda-parques, e em alguns casos você só poderá prosseguir se tiver a reserva dos próximos dias confirmada.

São duas empresas que administram os campings pagos, Fantastic Sur e Vertice. Os campings gratuitos são admistrados pela Conaf.

Campings Gratuitos – Fomos em Março/ Abril de 2019, só haviam dois campings gratuítos, o  Paso e o Italiano, conseguimos vaga nos dois. No geral são simples. A área de camping são protegidas do vento, tem área para cozinhar mas infelizmente alguns turistas deixam restos de comida e plástico espalhados pela mesa. O banheiro do camping Paso é literalmente um buraco no chão; não tem duchas.  Só tivemos contratempo no camping Italiano, que foi fechado poucos dias antes de entrarmos no parque, por conta de um vazamento na fossa, então tivemos que acampar no Paine Grande.  Mas iremos relatar isso no Post sobre a nossa experiência no circuito O.

Acampamentos pagos: No geral são bem estruturados, somente no camping Los Perros a ducha era gelada, todos os outros as duchas eram boas e quentes. Todos contam com mini-mercado, rede elétrica (alguns com limite de horário), aluguel de equipamentos.

 


8. Aluguel de equipamentos

É possível dormir em abrigos de montanha durante todo o circuito W, assim você não precisa levar barraca nem saco de dormir. Mas no Circuito O, você terá que dormir em campings, tendo que alugar os equipamentos ou levar os seus próprios.

Em Puerto Natales tem várias agências que alugam equipamentos, mas lembre-se que mesmo assim você levará o equipamente por todo o circuito.

Outra opção é alugar das próprias empresas que administram os campings (Fantastico Sur e Vertice), assim você não precisa carregar sua barraca, só precisará retirar os equipamentos na hora do chekin e devolve-los na hora do checkout. É uma boa opção para aliviar os pesos das mochilas.

 


 

9 . Mini Check list

Check list de equipamentos importantes para trekking

  • Jaqueta, calça e botas Impermeáveis.
  • Calça e jaqueta resistente ao vento.
  • Segunda pele
  • Gorro e luvas
  • Meias para trekking
  • Fleece
  • Lanterna
  • Apito
  • Canivete
  • Bastões de trekking
  • Protetor Solar FPS 30
  • Óculos Escuros
  • Garrafas de água / Mochila de hidratação
  • Máquina fotográfica
  • Kit de primeiros socorros
  • Comida

 

Check list de equipamentos importantes para acampar

  • Além dos itens acima:
  • Barraca resistente a ventos fortes
  • Saco de dormir de -10ºC de conforto
  • Isolante térmico (de preferência inflável)
  • Mochila de trekking com capa de chuva.
  • Fogareiro e refil de gás
  • Panelas e talheres
  • Acendedor/ isqueiro
  • Bússola e/ou GPS


10. Preciso contratar guia?

Só é obrigatória a contratação de guia durante a baixa temporada e existem algumas regras que devem ser cumpridas para visitação no parque durante esse período (clique aqui) Indicamos a contratação de guia para quem não tem experiências em trekkings.

Não contratamos e não tivemos nenhum problema, as trilhas são bem sinalizades e em nenhum momento sentimos a necessidade de algum guia.

 


9. Alimentação

 Tem mini mercado e restaurante na maioria dos acampamentos. Você pode comprar refeição completa (café da manhã, almoço e janta) ou alguns quitutes. É uma opção para quem quer levar menos peso na mochila e não se importa em pagar caríssimo em comidas simples.

Mas se você quer economizar, em todos os acampamentos tem área para cozinhar.

Nós levamos comida liofilizada que compramos em Curitiba e compramos o que faltava para o café da manhã nos mercados em Puerto Natales. Também compramos algumas refeições e quitutes nos mini mercados de Torres del Paine, mas só para ter noção, pagamos 16 reais em um chocolate e 80 reais em uma pizza de tamanho médio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: